COMPRAS      
 
TOPBOOKS - EDITORA E DISTRIBUIDORA DE LIVROS

CONTINUA a PROMOÇÃO:
livros com descontos
de 25% e 50%.

A Editora Imprensa Homenagens Especiais Destaques Recomendados eBooks Como comprar Fale conosco Início do site
CATÁLOGO ENTREVISTA(S)
 
 
 
Instagram
TOPBOOKS - Editora e Distribuidora de Livros

ELVIA BEZERRA, AUTORA DE "MEU DIÁRIO DE LYA"

Como você conheceu Lya Cavalcanti?
Conheci Lya em 1988. Lembro perfeitamente de quando a vi entrar na sala da doutora Nise da Silveira, na hora do chá, exclamando: "Nise, somos duas bacantes condenadas à austeridade". Fiquei impressionadíssima com o vigor, o brilho com que ela falava. Vi diante de mim uma jovem de 81 anos.

Uma personagem em potencial?
Não, não, imagina! Olhei-a com grande admiração porque a dra. Nise tinha me avisado que ela havia sido grande amiga de Guimarães Rosa, de quem sou fã absoluta. Fiquei cheia de curiosidade de conhecê-la, mas a exuberância de Lya me inibia. Só no encontro seguinte tive coragem de dizer que adorava a obra rosiana. Foi o suficiente para que iniciássemos uma amizade que durou até a morte dela, aos 91 anos, em 1998, exatamente dez anos depois de nosso primeiro encontro. Durante esse período jantávamos juntas todas as quartas-feiras.

E o que ela contava de especial sobre Guimarães Rosa?
Ah! coisas simples, dessas que a gente não imagina que acontecem no cotidiano dos grandes mitos. Conheceram-se em Londres, durante a Segunda Guerra, quando ele era primeiro secretário na Embaixada, em Paris. Os dois tinham a mesma crença em "forças ou correntes muito estranhas". Certa vez, Lya tentou escrever um conto. Mostrou a Rosa a primeira versão, e ele vociferava, com a folha de papel na mão: "Não, não, não é assim! Você começou em sustenido e depois não sabe, não pode continuar. Não! Não é assim!" Quando ele escreveu Campo Geral, leu para ela, por telefone, de Cordisburgo, durante quatro horas seguidas, a história de Miguilim. Interrompia a leitura dizendo "peraí, Lya, que eu vou comer uma banana". O episódio dessa leitura telefônica está registrado na dedicatória que ele fez pra ela em Corpo de baile, e que ilustra o meu livro.

Mas então, como surgiu a idéia de escrever sobre Lya?
Eu ficava inquieta, depois dos nossos jantares, lembrando nossas conversas. Algumas vezes registrei na minha agenda os episódios que Lya me relatava. Outras vezes, ela fazia apenas uma referência. Eu anotava. Lya considerava o período que tinha vivido em Londres, durante a Segunda Guerra, o mais feliz de sua vida. Ela tinha viajado para Londres em 1942 - durante a guerra, portanto - para encontrar o marido, Geraldo Cavalcanti, jornalista na BBC de Londres. Lya me contava essas coisas com uma naturalidade espantosa, e isso me impressionava. Ela era fã dos ingleses, da coragem com que enfrentavam o dia-a-dia em guerra, sem uma reclamação. Fui me interessando mais e mais. Anos depois, folheando minhas agendas, achei que aquele material não podia se perder, e comecei a escrever, sem pretensão. Depois mergulhei na pesquisa, e aí começou a surgir o livro.

O que ela fazia?
Aqui no Brasil era secretária da presidência na Câmara dos Deputados. Tirou uma licença, e, quando chegou em Londres, foi convidada para fazer, na rádio, um relato sobre a sua viagem. William Tate, na época diretor do Serviço Latino-Americano da BBC, gostou tanto do texto que a contratou imediatamente. Assim, de secretária Lya passou a cronista da BBC. Era a época de Antônio Callado, Simone Ruffier. Depois chegaria J. Veiga e outros. Consegui recuperar uma parte da participação dos brasileiros no Serviço Latino-Americano da BBC e do cotidiano vivido por eles.

Muito penoso?
Que nada! Lya, desorganizadíssima, vivia desapontada com a desnecessidade de grandes sacrifícios. Dizia-se "heroína em branca nuvem". Havia uma ligação forte entre os jornalistas e os funcionários da embaixada do Brasil. Paschoal Carlos Magno era um deles. Além da casa de Lya, que funcionava como uma espécie de "embaixadazinha" paralela, o grupo se encontrava nos restaurantes do Soho ou no elegante Claridge's Hotel.

E depois...
Ela voltou ao Brasil e fez, inicialmente, um programa chamado Dois dedos de prosa, na então PRA-2, hoje Rádio Ministério da Educação. Em 1964, fez, com Drummond, o programa Quase Memórias, que constou de uma série de oito sessões de entrevistas, realizadas aos domingos. Um "papo radiofônico", como chamou o poeta. Se não estou enganada essa é a mais longa entrevista jamais concedida por ele. Foi publicada, por partes, no Jornal do Brasil, e posteriormente recolhida em livro com o título de Tempo, vida poesia: confissões no rádio.

De que maneira entram os animais nessa história?
Bem, Lya e Drummond sempre gostaram de animais. Quando ela fazia o Dois dedos de prosa contava com o apoio do poeta-cronista que, assinando uma coluna no Correio da Manhã, fez com a amiga, durante longo período, uma espécie de dobradinha oral e escrita pela causa dos animais. Vem daí o apelido de "meu capanga" que Lya deu ao poeta. São inúmeras as crônicas de Drummond sobre animais. Ele falou maravilhas sobre o assunto. Preocupou-se com muitas questões relativas aos bichos. Em 1970 Lya e Drummond editaram um jornaleco, mimeografado, de oito páginas intitulado A Voz dos que Não Falam. É comovente constatar o empenho dele, já poeta famoso, editando um jornalzinho tão precário. E foram muitas as campanhas que os dois fizeram juntos.

Ele falava sobre Lya nas crônicas?
Muito. Escreveu especialmente sobre ela, como em "Lya, a louca admirável", que é uma maravilha. É que Drummond é tão rico, abordou tantos temas... Suas crônicas sobre animais, em que a presença de Lya é constante, podiam ser reunidas em um volume, a exemplo do que foi feito com as que escreveu sobre futebol.

Quer dizer que a admiração era recíproca?
De fato. Drummond escreveu uma carta-bilhete a Lya, que é uma declaração de amor fraterno. Uma beleza, está reproduzida no livro. Ela era uma pessoa com contradições humanas intensas, tão verdadeira na sua tremenda desorganização! E Drummond soube entendê-la. Foi dos poucos, porque ela escapa a qualquer convencionalismo.

Como você definiria Lya Cavalcanti?
Eu não penso em definir uma personalidade tão extraordinária. Mas posso dizer que dois aspectos me impressionavam: o primeiro era a alegria de viver. A vida para Lya era uma festa. Ela vivia a alegria de pensar que o dia seguinte podia lhe trazer uma bela surpresa. Isso aos oitenta anos... Depois, com sua autenticidade, Lya representou para mim a essência das contradições na mais humana imperfeição.

Privacidade

Envio de originais

Mensagem do Editor

Topo Início Anterior
TOPBOOKS EDITORA E DISTRIBUIDORA DE LIVROS LTDA.
Rua Visconde de Inhauma, 58 - Sala 203 - Rio de Janeiro - CEP 20091-000
Telefones: (21) 2233-8718 ou (21) 2283-1039
Copyright © Topbooks, 2003 - 2019 - É proibida a reprodução total ou parcial sem autorização - Projeto QV