COMPRAS      
 
TOPBOOKS - EDITORA E DISTRIBUIDORA DE LIVROS

CONTINUA a PROMOÇÃO:
livros com descontos
de 25% e 50%.

A Editora Imprensa Homenagens Especiais Destaques Recomendados eBooks Como comprar Fale conosco Início do site
CATÁLOGO APRESENTAÇÃO
 
 
 
Instagram
TOPBOOKS - Editora e Distribuidora de Livros

O CATADOR DE PALAVRAS

Antonio Ventura sempre foi um poeta diferenciado, desde o início, quando já na adolescência escrevia versos fortíssimos, uma poesia marcante, de asfixia, aquela poesia que vem de dentro do homem, onde o homem deixa residir sua vida, equivale dizer, seu poema mais verdadeiro.

Este é um belo livro de poesia, de poemas e de narrativas poéticas. Como se nos dissesse sempre, como escreveu no belíssimo “Divino Narciso”, ilustrado com a tela de Caravaggio: “Eu queria escrever uma história infantil/ como a minha história infantil a história da criança louca/.../”. Um poema comovente: “O que eu sou agora é não ter saído de casa/ mas ter ficado em casa escrevendo um poema eterno/.../”.

O catador de palavras é, no fundo, um testemunho de vida, aquilo que a vida nos oferece ao seu tempo, quando ao passar dos anos vem desenhando nossa face num espelho que se quebra. Esta é a poesia de um poeta que compreende a grandeza da poesia e faz da poesia sua própria história.

Álvaro Alves de Faria

O catador de palavras, de Antonio Ventura, apresenta o reencontro de um homem consigo próprio, na sua mais intensa vocação: para além de um “catador”, um transfigurador de palavras. Ariscas, elas se deslocam do terreno da fala cotidiana para ressurgirem no espaço instável do poema — onde tudo se arrisca, em nome da beleza. Enquanto quase todos seus colegas de geração — a da “poesia marginal” — celebravam o precário, Ventura, dissonantemente, como atesta o título de um livro seu, efetuava a Reivindicação da eternidade. No compasso de um discurso abastecido em lições rimbaudianas, desafiadoramente proclamava: “Eu sou um Deus que canta entre os rochedos”. Noutro passo, todavia, a voz de Ventura se contrapunha a uma das mais famosas lições do vate francês: “Como é fabuloso ser eu, e não o outro”. O poeta-andarilho, numa viagem iniciada em Ribeirão Preto, com escala no Rio de Janeiro, constrói e oferta neste livro sua morada mais sólida. No ponto de partida do adolescente ou na estação de desembarque do adulto, a mesma transbordante celebração da Poesia.

Antonio Carlos Secchin
da Academia Brasileira de Letras


Os chamados poetas marginais dos anos 70 não se constituíram em movimento literário, e muito menos em uma escola dotada de cânones e princípios estéticos. Ao contrário, opondo-se aos sistemas repressores políticos (ditadura de 64) ou artísticos, procuraram colocar a vida vivida da poesia acima e ao lado da letra formal e formalizante do poema. O poeta Cacaso resumiu essa postura neste seu poemeto: “Poesia/ eu não te escrevo/eu te/ vivo/ e viva nós!” Um peregrino dessa poesia vivida foi e é Antonio Ventura. Este livro, que expõe os vários momentos e faces de sua trajetória de poeta, dá bom testemunho disso.

Mário Chamie

A poesia de Antonio Ventura nasce de envolvente simplicidade, não do poeta desatento ao pôr do sol, mas em gotas de surpresas na forma e nas imagens. Não sei que cor tem a alma. Ninguém sabe. Esse pastor de nuvens consegue, porém, colorir de alma todos os seus versos e se transforma no príncipe das cavalgadas de lágrimas e de sonhos. É poeta.

Saulo Ramos

Um dos maiores expoentes rimbaudianos entre nós.

Menalton Braff

 

Pouco se sabe sobre Antonio Ventura, salvo que é natural de Ribeirão Preto, onde cresceu e se formou e é juiz de Direito. Mas, como Rimbaud, "sentou a beleza nos seus joelhos" e é inevitavelmente poeta, caudaloso, irreverente, com acento surrealista. Observou alguém que a biografia de um poeta é seu canto. E este poeta que traz Ventura consigo, como quem traz a poesia, revela na explosão de ritmos um sotaque pessoal. Embora caminhe dentro de uma tradição — a de "ser absolutamente moderno", mantém inalienável entonação, a marca do que carrega o fogo de quem se sabe "catador de palavras". E o humilde ato de apanhá-las carece de um poder que as retira do estado de silêncio.

Carlos Nejar
da Academia Brasileira de Letras

Privacidade

Envio de originais

Mensagem do Editor

Topo Início Anterior
TOPBOOKS EDITORA E DISTRIBUIDORA DE LIVROS LTDA.
Rua Visconde de Inhauma, 58 - Sala 203 - Rio de Janeiro - CEP 20091-000
Telefones: (21) 2233-8718 ou (21) 2283-1039
Copyright © Topbooks, 2003 - 2019 - É proibida a reprodução total ou parcial sem autorização - Projeto QV