COMPRAS      
 
TOPBOOKS - EDITORA E DISTRIBUIDORA DE LIVROS

CONTINUA a PROMOÇÃO:
livros com descontos
de 25% e 50%.

A Editora Imprensa Homenagens Especiais Destaques Recomendados eBooks Como comprar Fale conosco Início do site
CATÁLOGO APRESENTAÇÃO
 
 
 
Instagram
TOPBOOKS - Editora e Distribuidora de Livros

"PROSA POÉTICA", de Arthur Rimbaud

Bruno Tolentino

Ao recomendar este Volume II do Rimbaud de Ivo Barroso, meticuloso e monumental labor de toda uma vida, afugento certa sombra de tristeza: o quanto se tornou raro entre nós empresa deste porte e seriedade! Aos estertores finais de um de seus períodos mais acabrunhantes, a vida do espírito no Brasil continua repleta de homúnculos que não sabem que não sabem javanês. Como é notório, depois da “morte do verso”, a arte da tradução de poesia – essa lição de Mestres da estatura de um Machado, um Bandeira, um Abgar – tem sido arrastada na sarjeta mental dos mais ralos exibicionismos, confundida à mais apressada inépcia retórico-linguística.

Conseqüentemente, esta é uma obra de poucos pares em nosso atual circo tradutório. Na primorosa edição da Topbooks, o leitor encontrará todo o contrário de certa endêmica modalidade nossa da febre “traduziológica”. Não há falhas de leitura, muito menos gaffes “transcriativas” nesta exemplar conjunção de duas nobres artes: a de escrever e a de re-escrever poesia. Aqui, Ivo Barroso, passé maître na arte de passar décadas a entender primeiro para traduzir depois, simplesmente (e magistralmente) apelle un chat un chat. Logo, por mero contraste, implicitamente chama a cada um de nossos Rollet un fripon...*

Étiemble observa que até mesmo o mais dedicado leitor tem sempre algo a descobrir sobre um original com a leitura de suas grandes traduções. Posso testemunhar disso: minha redescoberta de Rimbaud deve muitíssimo às repetidas leituras que tenho feito das recriações de Ivo Barroso. Nisso estou em ótima companhia; com Didier Lamaison, por exemplo, que há pouco nos dizia haver voltado em profundidade ao seu Rimbaud da juventude precisamente ao compará-lo com o que dele Ivo faz em vernáculo. Dito isso, temo que estas paralelas (e não raro unidas) “alquimias do verbo” arrisquem valer, a autor e a co-autor, o mesmo ressentimento conspiratório que cerca outro de nossos raros grandes recriadores de poesia, aquele Jorge Wanderley quase linchado por ter posto Dante Alighieri onde Ivo Barroso vem há décadas pondo o voyant de Charleville: na simbiose da mais elegante arte de nosso verso.

Mas não é tudo! Ao saudar a ressurreição em nosso idioma desta obra capital da poesia maior do Ocidente, no momento em que estabelecem definitiva residência em nossas letras, pergunto-me quem se irá reconhecer nestas páginas. Em nosso morno purgatoriozinho poético, já não pergunto quelle âme est sans défault, mas sim quem tem alma para ter defeitos... Onde andam nossos Rimbaud de hoje? Que é feito do espírito de poesia ao qual devemos um Cruz e Sousa, um José Albano, um Augusto dos Anjos e tantos mais? Haverá ainda quem se inspire na devoção de um Ivo Barroso e se importe em emulá-lo – e aos Leopardi, aos Baudelaire, aos Hölderlin, aos Celan, às Dickinson, aos Mandelstam, aos Radiguet, aos Artaud?

Porque – Ô saisons, Ô châteaux! – quem não sabe, hoje, que nosso jovem poeta aspira mesmo é à mais velha profissão do mundo? Assistimos a um fenômeno que faria explodir de engulho o autor das Illuminations: perambula entre nós a mais estranha das aberrações, o jovem poeta-cortesão. Com tantas ávidas bolsinhas rodando em torno de tantas polpudas Bolsas, dir-se-ia que nosso gênio poético atual não pertence mais aos maudits, mas aos garotos de programa literário... E qual deles faria o que Ivo fez: passaria uma temporada no inferno, ou se daria conta de que "a verdadeira vida está ausente, e livre seja esse infortúnio?"

O adolescente francês cuja prose de diamant revive em português sua inexaurível juvência, sob os longos cuidados apaixonados de um verdadeiro poeta-tradutor, morreria de tédio em nossa atual Etiópia poética. Pois este livro, que uma alma atormentada arrancou das vísceras e um intelecto privilegiado pôs ao alcance de todos os que sabem que não sabem francês, dificilmente irá queimar as pestanas de nossos poetas-candidatos a isso e àquilo. Et pourtant... Se a Providência for condescendente conosco, fará com que alguém, em alguma parte do país, leia este formidável trabalho com a mesma agônica atenção que autor (há 125 anos) e co-autor (durante várias décadas) puseram em sua fatura. Então, quem sabe, talvez venham a acontecer “cousas futuras”...

Como andam as “cousas”, tanto vale o que dizem as lousas: aqui faz, requiescat, ci-gît. Até que se impregnem das artes combinadas de Arthur Rimbaud e Ivo Barroso, nossos vates seguirão trocando o Verbo pelas verbas, e fazendo de boy-behind-the-door um boi-berrando-de-dor. E haja boi-tempo, porque o ôba-ôba anda alegre, e la nave và. Mas creia-me, leitor: os autores jumelados desta renovada obra-prima da poesia culta, profunda, metafísica e universal não têm absolutamente nada a ver com isso.


* "J' appelle un chat un chat, et Rolet un fripon" (Eu chamo um gato de gato, e Rolet de velhaco), trecho de uma das sátiras de Nicolas Boileau (1636-1711), onde há uma referência a Charles Rolet, Procurador no Parlamento de Paris, condenado ao desterro em 1681, cujo nome virou sinônimo de patife.

Privacidade

Envio de originais

Mensagem do Editor

Topo Início Anterior
TOPBOOKS EDITORA E DISTRIBUIDORA DE LIVROS LTDA.
Rua Visconde de Inhauma, 58 - Sala 203 - Rio de Janeiro - CEP 20091-000
Telefones: (21) 2233-8718 ou (21) 2283-1039
Copyright © Topbooks, 2003 - 2019 - É proibida a reprodução total ou parcial sem autorização - Projeto QV