COMPRAS      
 
TOPBOOKS - EDITORA E DISTRIBUIDORA DE LIVROS

CONTINUA a PROMOÇÃO:
livros com descontos
de 25% e 50%.

A Editora Imprensa Homenagens Especiais Destaques Recomendados eBooks Como comprar Fale conosco Início do site
CATÁLOGO RESENHA
 
 
 
Instagram
TOPBOOKS - Editora e Distribuidora de Livros

A QUERMESSE ERÓTICA DE SYLVIO BACK
Cineasta lança coletânea de poemas em livraria de Ipanema

Roberto Muggiati, especial para a Gazeta do Povo

É um luxo: Maitê Proença lendo poemas eróticos ao seu ouvido enquanto você espera na fila de autógrafos. Aconteceu na Livraria da Travessa de Ipanema, na noite chuvosa de terça-feira, 15 de abril. O cineasta-dublê-de-poeta Sylvio Back lançava sua coletânea de poesia erótica. Diretor de 38 filmes, autor de 21 livros, ele reuniu em Quermesse (Topbooks) a obra-título e seus trabalhos anteriores de poesia erótica: O Caderno Erótico de Sylvio Back (1986), A Vinha do Desejo (1994), Boudoir (1999) e As Mulheres Gozam pelo Ouvido (2007), título inspirado por uma frase do Marquês de Sade.

Conheço Sylvio desde 1958, eu na Gazeta do Povo, ele no Diário do Paraná, quando os jornalistas de Curitiba, depois de fecharem mais uma edição, se encontravam nos bares – obviamente para beber – mas principalmente para discutir ideias e mudar o mundo. Sylvio editava uma página de cultura (a Letras&Artes, agosto 59-março 61), da qual eu participava com frequência. Diz ele de seus colaboradores: “Todos indisfarçáveis candidatos a escritor, poeta, críticos de literatura, cinema e teatro, advogado, político, músico, sindicalista e, sem nenhuma coincidência, a cineasta...”. Já eu definia aquela página como “mais artes do que letras...”

Na fila, Maitê se aproxima, me chama de Muggiati (nos conhecemos na Manchete em meados dos 80, ela esplendorosa como Marquesa de Santos e Dona Beija, eu editor da revista) e lê um poema: “a mulher e seus fogos de afago/ o homem e seu pássaro falaz/ a mulher e seus gargalos letais /o homem e seus solitários ais/ a mulher e seus mil orgasmos/ o homem e seu unívoco ocaso/ a mulher e seus líquidos infinitos/ o homem e seu fatídico fastio/ a mulher toda em si/ o homem tolo Sísifo.” Eu comento: “Coincidência, é o tolo Sísifo, reli esta manhã”. E arrisco uma graça: “É calcado no Mito de Sifu”. E tenho de explicar: “Sifu de si fu***, sacaram?”

Afinal, por que Maitê estava lá nessa função? Porque adora a poesia erótica de Sylvio Back e já declarou publicamente: “Admirável esse tipo de poesia que une o lírico ao erótico explícito. Impressiona que seja belo e tesudo numa mesma frase, num só momento”. Destaca o poeta e crítico Felipe Fortuna, no prefácio do livro: “... esse afã construtivo do poeta, que traduz o seu erotismo a partir da sua memória cinematográfica e vai, pouco a pouco, registrando o filme de sua vida. (...) Provém dessa projeção – palavra-chave – para a tela, e da tela para as retinas do poeta, a experiência pioneira do desejo e do êxtase” .

Palmas

Com 28 anos de poesia erótica, Sylvio colheu aplausos de luminares como Décio Pignatari (“Gostoso neopoeta, neopornô”), Manoel de Barros (“Acho que a poesia empurece qualquer palavra, desde que ela seja tratada por um poeta”), Affonso Romano de Sant’anna (“Você é um Aretino brasileiro, de nosso tempo”), Angélica Torres (“Uau, que volúpia, mama mia!!”), Aníbal Beça (“Tenho uma inveja cristã de seus eróticos & pornográficos”), Marcelino Freire (“...alguns dos melhores poemas eróticos de nossa literatura”).

Curioso, a poesia baixou de repente num Sylvio já maduro: “Ainda que, de há muito, a minha estante de poesia seja maior do que a de cinema, só ousei poetar já homem maduro (aos 48 anos). Qualquer que seja a criação do espírito humano, a poesia é a única totalmente imprevisível”. Ele cita os surrealistas franceses em defesa do poema erótico: “... só dando voz ao desejo sexual é que o homem entende o núcleo do seu ser e alcança a saúde da psique”.

Em “Nora’s Joys”, Back celebra o grande pornopoeta James Joyce: “aos confins do tuim/ Nora e Bloom/ foram aos píncaros da linguagem”.Embora more no Rio há 28 anos, Sylvio não esquece a Curitiba de sua juventude. Em noite curitibana: “Por detrás de tuas valsas abrasas/ Por detrás de teus olores temores/ por detrás de tuas portas abortas/ (...) por detrás de tua consorte a morte”.

Apesar das 280 páginas orgásticas do que chamei de “deflorais de Back” – da sua Quermesse, essa missa laica que celebra os prazeres da carne e o gozo maior da língua – Sylvio adverte: “Toda essa antologia traz embutido o seguinte mote: os poemas são libertinos, mas o poeta é casto!”


Publicado em 23 de abril de 2014 na Gazeta do Povo, Curitiba.

Veja mais:

Quermesse: toda poesia erótica de Sylvio Back
Cineasta Sylvio Back reúne poesias eróticas no livro Quermesse
Cineasta e escritor blumenauense lança livro de poemas eróticos

Privacidade

Envio de originais

Mensagem do Editor

Topo Início Anterior
TOPBOOKS EDITORA E DISTRIBUIDORA DE LIVROS LTDA.
Rua Visconde de Inhauma, 58 - Sala 203 - Rio de Janeiro - CEP 20091-000
Telefones: (21) 2233-8718 ou (21) 2283-1039
Copyright © Topbooks, 2003 - 2019 - É proibida a reprodução total ou parcial sem autorização - Projeto QV