TOPBOOKS - EDITORA E DISTRIBUIDORA DE LIVROS
A Editora Imprensa Homenagens Especiais Destaques Recomendados eBooks Como comprar Fale conosco Início do site
CATÁLOGO RESENHA
 
 
 
Instagram
TOPBOOKS - Editora e Distribuidora de Livros

UMA HISTÓRIA DO CHOQUE ENTRE ECONOMIA E LIBERDADE

Reunião de três ensaios apresenta Michael Oakeshott ao leitor brasileiro

Mary del Priore
Professora de História da USP e da PUC-RJ

Sobre a história

Aos 18 anos, ele escreveu um artigo para a revista do colégio onde estudava, o rigoroso Saint George's. O título? ''Da experiência de ensinar história''. Desde então, Michael Oakeshott estabeleceu um longo diálogo com o século 20, diálogo marcado pelo fim da República de Weimar, a emergência do nazismo, a Guerra Fria, maio de 1968, a queda do Muro e as incertezas que varreram as ciências a partir dos anos 80. Sobre a História, reunião de três ensaios publicados pela primeira vez em Londres nove anos após sua morte, em 1990, resume as preocupações que marcaram tanto a crítica do seu tempo quanto seu itinerário de intelectual. Pois é exatamente a história do sangrento século 20 que dá unidade e originalidade a seu pensamento.

Unidade porque todos os seus artigos e livros a ela se prendem, mesmo quando transcendem as clivagens de disciplinas e gêneros, tentando pensar os vários setores das sociedades modernas: as relações sociais, os regimes políticos, as discussões ideológicas ou até a poesia e a literatura. Sua intensa produção investiu em descrever e compreender a maneira como se combinaram as diversas dinâmicas das forças econômicas e sociais com a liberdade dos homens. Et pour cause, pois Oakeshott viveu as duas guerras, a violência, os heróis, os genocídios e os totalitarismos delas decorrentes. Duramente confrontado com a partilha do mundo, mas também com o estilhaçamento dos saberes, o cientista inglês optou pela valorização do indivíduo, de sua autoconfiança e direitos, de seu pensamento prático. Sua abordagem está centrada no papel que acorda à liberdade no destino do século, bem como no status desta liberdade; fundado na análise política e histórica. Um tema, enfim, enraizado nas dramáticas condições de vida de uma época.

Mas quem é este pensador de renome internacional ainda desconhecido do público brasileiro? Nascido em 11 de dezembro de 1901 em Chelsford, condado de Kent, Michael Joseph Oakeshott fez seus primeiros estudos de 1912 a 1920 no já mencionado Saint George's, uma escola quaker. De 1920 a 1926 esteve no Gonville and Caius College, em Cambridge, onde, depois de incursões a Tübingen e Marburg para novos estudos, voltou para assumir o posto de professor-assistente de História. No mesmo ano em que Gilberto Freyre publicava Casa-grande & senzala, que a França colhia uma das melhores safras de Romanée Conti, que Fulgêncio Batista subia ao poder, o inglês publicava sua primeira obra filosófica, Experience and its modes, seguido, em 1939, por Social and political doctrines of Europe. Os tempos eram terríveis: a Europa assistia impotente à falência das estruturas liberais, as classes médias se proletarizavam, greves e movimentos pró-ditaduras se multiplicavam. Pior: o medo do ''perigo vermelho'' era crescente e o Estado liberal e democrático parecia incapaz de resolver tanto a crise econômica quanto o avanço socialista. O fio condutor de seus trabalhos era um só: investir contra os ''racionalistas'', pessoas que pensavam poder aplicar esquemas intelectuais ao mundo político, solucionar problemas concretos à luz de generalizações. Atacava, assim, o marxismo de intelectuais como Bernstein, Kautsky ou Max Adler, defensores de teses fortemente condicionadas pelo agnosticismo kantiano, crentes na ''neutralidade'' científica e, portanto, na existência de uma teoria social absolutamente não-subjetiva.

Não contente em pensar sobre história, Oakeshott foi um dos seus protagonistas. Oficial do exército britânico, serviu no mais sangrento teatro da Segunda Guerra e nos campos de batalha da França e da Alemanha, de 1942 a 1945. Ao voltar a Cambridge, ele fez uma primorosa edição crítica do Leviatã, de Hobbes, e fundou o periódico The Cambridge Journal, entrando alguns anos depois para o então recém-fundado Nuffield College, em Oxford. Dizem as más línguas que só não ocupou a cadeira de ciência política em Cambridge por causa de seu amor às corridas de cavalos, paixão traduzida no simpático texto A New Guide to the Derby: How to Pick a Winner. Ora, Dostoievsky era viciado no jogo de roleta... Em 1951, Oakeshott irá ocupar, na London School of Economics, a cadeira de um dos mais proeminentes marxistas ingleses, Harold Larski, posição na qual permaneceu até sua aposentadoria em 1967.

Oakeshott manteve-se muito ativo até o final da vida, merecendo inúmeras edições póstumas de suas obras. Nestes três vigorosos ensaios de Sobre a história, ele se debruça sobre o conhecimento da matéria histórica, examina questões referentes à autoridade política e suas relações com a sociedade e usa a fábula da Torre de Babel para pensar o indivíduo e o coletivo. Exemplarmente publicada pela Topbooks em convênio com o Liberty Fund, em tradução primorosa de Renato Lemos, acrescida de um prefácio de Evaldo Cabral de Mello que o situa na constelação dos grandes pensadores políticos de nosso tempo, esta obra descortina questões pouquíssimo freqüentadas por nossos historiadores. No primeiro ensaio, Oakeshott busca definir o conceito de história e entender a coerência da disciplina. Perde tempo quem procurar aí as interrogações que açodam a historiografia atual, historiografia voltada para a narrativa, os indivíduos e sua cultura, as práticas cotidianas, o imaginário ou o lugar das minorias.

Espremido entre os ícones da escola anglo-saxônica marxista, como Eric Hobsbawm, Perry Anderson e Edward P. Thompson — cujos trabalhos enfocaram ''a história vista de baixo'' ou buscaram uma ''lógica histórica'' na perquirição adequada dos documentos — e os clássicos da maior historiografia do século XX, a francesa, com sua renomada École des Annales, o autor produziu idéias singulares. Ele sugere que se busque no que chama de ''passado histórico'', passado informe, complexo e não evidente, certa compreensão por meio da narrativa. Não cabe ao historiador, explica, debruçar-se sobre os tempos idos para exumá-los como se faz numa lição de anatomia, mas, sim, compreender ''homens e eventos mais profundamente do que foram compreendidos na época em que viveram e aconteceram''. Por trás da tese meio óbvia, sua preocupação maior é a de sublinhar que a história nada pode pelo presente, uma vez que ela é informe, ambígua e mutante. Olhar para trás, perscrutar o ontem em nada remediaria o hoje imediato.

No segundo ensaio, o autor discorre sobre um de seus temas preferidos: as relações humanas e as preocupações associativas como fenômenos de civilização. Dialogando com o clássico do holandês J. Huizinga, Homo Ludens, desenvolve a idéia de que a moral e os limites, tal como nos jogos, são responsáveis pelos fenômenos civilizatórios mais importantes. No terceiro, ''A Torre de Babel'', usa um conceito que lhe é caro, o de compaixão — não no sentido cristão, mas pagão — para tratar daquilo que, na condição humana, não é fruto de escolha ou opção. A fábula lhe permite discorrer sobre a disputa para chegar aos céus sem a ajuda dos deuses, revelando, simultaneamente, a impiedade daqueles que não admitem a diferença nem a vida fora do mundo que desejam exclusivamente para si, mundo à sua imagem e semelhança. Sente-se aí a pluma do erudito que, para além de criticar o excessivo individualismo de seus contemporâneos, sua ''volubilidade e vulgaridade moderada'', reconhece, também, a atualidade de Babel como ''uma cidade atribulada pelo alvoroço de obter e gastar''. A figura patética e isolada de Nimrod faz pensar no atrativo dos profetas modernos, afogados na própria logorréia, que, se por um lado valorizam o trabalho e o bem-estar material, acabam por encontrar-se sós, diante de seus próprios destinos, sem sentido ou horizonte para a vida. As escolhas pessoais sobrepondo-se aos destinos coletivos só fazem, como diz ele, ''estender as fronteiras do inferno''. É este, certamente, o ensaio que mais o aproxima de autores coetâneos como Sartre, Camus ou Heidegger, que também pensaram o desespero, o niilismo e o absurdo.

Michael Oakeshott está longe das preocupações que hoje incidem sobre a disciplina: dar prioridade a uma problemática que interrogue a documentação, pois não há olhar sobre as sociedades, passadas e contemporâneas, sem condição de saber o que procuramos ou por que procuramos. Por outro, sua intuição segue absolutamente válida: não há história que seja o resultado calculado de certas manipulações, não há ciência feita de leis ou metáforas de tipo biológico capazes de condenar grupos humanos a nascer, crescer e morrer, nem existe razão cujo deslocamento imponha às sociedades evoluções necessárias. Para Oakeshott, como para muitos de nós, mesmo depois de tantas crises epistemológicas como o desconstrutivismo ou o relativismo, a história segue uma aventura intelectual inesgotável.

Idéias
JORNAL DO BRASIL

Rio de Janeiro
31/01/2004

Leia mais:

Um historiador com o pé na real e não na utopia

Privacidade

Envio de originais

Mensagem do Editor

Topo Início Anterior
TOPBOOKS EDITORA E DISTRIBUIDORA DE LIVROS LTDA.
Rua Visconde de Inhauma, 58 - Sala 203 - Rio de Janeiro - CEP 20091-000
Telefones: (21) 2233-8718 ou (21) 2283-1039
 
Copyright © Topbooks, 2003 - 2020 - É proibida a reprodução total ou parcial sem autorização - Projeto QV