COMPRAS      
 
TOPBOOKS - EDITORA E DISTRIBUIDORA DE LIVROS

CONTINUA a PROMOÇÃO:
livros com descontos
de 30% e 50%.

A Editora Imprensa Homenagens Especiais Destaques Recomendados eBooks Como comprar Fale conosco Início do site
CATÁLOGO RESENHA
 
 
 
Instagram
TOPBOOKS - Editora e Distribuidora de Livros

SIMÃO PESSOA E A ARTE DE SER CANALHA

Zemaria Pinto

No meio de tanta bobagem classificável sob o duvidoso título de “literatura de autoajuda”, um rótulo-mala, onde tudo cabe, finalmente temos um livro verdadeiramente útil. Nada a ver com a filosofia pé-de-chinelo do Paulo Coelho ou as besteiras neurolinguísticas do Lair Ribeiro. Nada a ver com anjos, gnomos, e muito menos com a última moda dos salões de beleza, a tal de inteligência emocional. Nada disso. Trata-se do Manual do Canalha Uma Estética Machista Para O Terceiro Milênio, do escritor amazonense Simão Pessoa, editado pela Topbooks, do Rio de Janeiro, e encontrável nas livrarias sérias da cidade.

O Manual do Canalha se inscreve na mais antiga tradição literária universal, que tem início com o Satiricon, do romano Petrônio, no primeiro século da era cristã, e vai ao Decameron, do italiano Boccaccio, além de Gargântua e Pantagruel, do francês Rabelais, na passagem do medievo à renascença, obras marcantes do ponto de vista literário, mas que deixaram atrás de si, ao longo dos séculos, rastros de ódio, incompreensão e intolerância dos medíocres de todos os tempos, que só entendem a arte como algo distante da fedentina da vida, e não um simples prolongamento desta.

Mas não é nesses autores que Simão Pessoa se baseia para compor o Manual do Canalha. Ele vai mais longe, ao século I antes de Cristo, beber nas fontes sublimes do poeta romano Ovídio e sua Ars Amatoria, a popularíssima Arte de Amar.  Ovídio constrói uma “teoria da sedução”, ensinando ao truculento homem romano, afeito mais às artes da guerra que do jogo amoroso, como aproximar-se do objeto de seu desejo e como prendê-lo com presentes, falsas manifestações de ciúme e algumas palavras amáveis, de vez em quando, que ninguém é de ferro.
Simão Pessoa, o nosso Ovídio caboclo, divide o seu Manual do Canalha em doze capítulos, de leitura deliciosa, bem-humorada e denunciadora do machismo, que tem por principais vias condutoras, segundo Simão, “as vovozinhas cândidas, as mulherzinhas dondocas e as mãezinhas possessivas”.

No capítulo “A Arte Milenar da Paquera”, por exemplo, Simão atualiza o grande Ovídio, ensinando ao machão moderno a “chegar junto” em bares, lanchonetes, discotecas, praias, shoppings, manifestações de protesto e outras ocasiões. Os capítulos “Macetes do Bom Gourmet” e “O Que Elas Querem é Phoder” complementam-se ao dar dicas primorosas sobre o comportamento amoroso. “Como Receber Com Elegância” e “O Convidado Que Todos Querem Convidar” também são complementares entre si, na medida em que dão as dicas de como o machão deve se comportar quando o “embalo” é na sua casa ou quando ele apenas “visita”.

Um capítulo altamente instrutivo é “Doenças Sexualmente Transmissíveis”, um verdadeiro tratado sobre blenorragia, sífilis, herpes, cancros e outras dores de cabeça. Mas é em “Casamento: Você Ainda Vai Ter Um”, que o Manual do Canalha atinge a perfeição. Em trinta e cinco páginas antológicas, Simão Pessoa, do alto de sete experiências bem-sucedidas, descreve passo a passo a lenta agonia de um macho imbecil apaixonado até, muitos anos e muitos filhos depois, a sua gradual recuperação, que, aliás, não dura muito tempo. Afinal, como diz a canção jobiniana, “fundamental é mesmo o amor: é impossível ser feliz sozinho”. 

 

Publicado no site Amazonas em tempo, logo após o lançamento da segunda edição da Topbooks, em 2012.

 
Privacidade

Envio de originais

Mensagem do Editor

Topo Início Anterior
TOPBOOKS EDITORA E DISTRIBUIDORA DE LIVROS LTDA.
Rua Visconde de Inhauma, 58 - Sala 203 - Rio de Janeiro - CEP 20091-000
Telefones: (21) 2233-8718 ou (21) 2283-1039
Copyright © Topbooks, 2003 - 2019 - É proibida a reprodução total ou parcial sem autorização - Projeto QV